Todas as publicações com a tag: reisado

03_RataoDiniz_L1494

Convocatória Brincante: ensaios selecionados

Em parceria com o Coletivo Nação e a Revista Raiz, lançamos uma Convocatória aberta para fotógrafos durante o mês de fevereiro em busca de estimular o olhar para a figura do brincante: O brincante é mais do que um festeiro, do que um folião, ele é um agente do brincar e atua de forma propositiva e criativa no fazer de uma manifestação cultural e popular. É ele quem cria as máscaras e as fantasias, desconstrói o ritmo dos tambores, reinventa as letras das marchinhas. É ele o corpo manifestante que ocupa a cultura como lugar de resistência, salvaguarda a herança recebida e a renova em seu próprio ato de brincar. Com o objetivo de conhecer alguns desses brincantes pelo país, recebemos em um mês mais de quarenta ensaios fotográficos sobre o tema. Entre eles, cinco se destacaram por fotografarem seus personagens de perto e para além das suas fronteiras geográficas: um boi bumbá urbano em Belo Horizonte; um bloco de carnaval do manguezal na cidade histórica de Paraty; grupos de reisados com influências afrobrasileiras no interior do Rio de Janeiro; um resistente palhaço do tradicional Cavalo-Marinho da Zona da Mata pernambucana e religiosos da …

destaquesamuel

Reisado de Caretas, por Samuel Macedo

Esta semana convidamos o fotógrafo cearense Samuel Macedo para colaborar com nosso Diário de Bordo. Conheci Samuel em Rio Acima (MG), visitando uma exposição do Infâncias, projeto do qual ele participa. No Andarilha, ele compartilha um pouco sobre o seu processo criativo para fotografar o Reisado de Caretas através de palavras, imagens e até áudios contando um pouco mais sobre suas histórias: “Eu sou cearense e, de menino, convivo com manifestações culturais como esta. Há alguns anos registro e acompanho o caminhar dos mestres e de suas brincadeiras. Comecei a fotografar ainda quando criança. Meu avô tinha uma oficina de onde saiam as coisas mais legais que já vi na minha vida; um monte de invenção que ele fazia. Uma dessas invenções, a que mais me chamava a atenção, era a câmera escura. Por conta dela, comecei a ter vontade de fotografar.   Às margens da Lagoa do Sassaré, por volta da década de 1930, já se tinha notícia dos brincantes do Reisado de Caretas. É como contava Dona Neuza, mãe de Antônio Luiz, atual mestre do grupo de caretas do sitio Sassaré. Fotografo o grupo há 3 anos. Sempre que vou ao Cariri, passo na …