Todas as publicações com a tag: arte

Buíque, Pernambuco - Brazil. Setember 19th - José Bezrra or Zé Bezerra, 64, is one of the most influential artists in northeastern Brazil. Works usually with twisted logs, typical vegetation of the Caatinga, exclusively Brazilian biome, where he lives, in Catimbau Valley in Buíque - Pernambuco, Brazil. His animals, bodies and faces, usually carved in umburana not have much of sweetness of the call folk art, made of affection and familiarity with the materials, their figures seem to struggle to emerge. JB, its signing, attributes this "struggle to emerge" with his own life. Among the difficulties of the arid climate, prisons and art, Zé Bezerra is a figure as surprising as his work.

Um encontro com Zé Bezerra, por Tiago Silva

Em Pernambuco, a tradição de desbastar a umburana, arvore típica da Caatinga, para esculpir carrancas, imagens religiosas entre outras figuras, é mais forte em cidades do sertão como Petrolina. No agreste, esse saber é mais presente em Ibimirim. Entretanto, é em Buíque que reside um dos grandes nomes escultores: José Bezerra ou Zé Bezerra, como prefere ser chamado. Nascido em 1952, Zé, há um pouco mais de uma década, conta que teve um sonho em que era chamado a realizar os trabalhos que faz atualmente. A partir daí, ele passou a olhar as madeiras que o cercavam e a intervir nelas. Essa “intervenção” na madeira feita por ele não ocorre na forma tradicional: “eu não crio nada, a coisa já está lá, eu só ajudo a fazê-la nascer”. São bichos, corpos e rostos, esculpidos geralmente em toras de madeira encontradas na região. Não são figuras que remetem à leveza do nosso imaginário da arte feita à mão, ou arte dita popular. Pelo contrário, são esculturas que parecem lutar para emergir. JB, como assina, atribui essa luta à sua própria …

destaque_clemilton2

Orgulho dos pais, Clemilton esculpe uma família

Quem trabalha com arte e cultura sabe. Quantas vezes você já foi desencorajado a seguir esses passos? Quantas pessoas já te chamaram a atenção para possíveis apertos financeiros, para as questões de ego, para algumas dificuldades? Em uma família de advogados, economistas e engenheiros, compreendo de alguma forma esse lugar. Por isso, conhecer Clemilton foi marcante. Quando nos falaram de um novo talento em Mata da Onça, região próxima à Ilha do Ferro, fomos lá conhecê-lo. Vilarejo lindo. Lindo. Essa paisagem vou guardar pra sempre na lembrança. Na fachada da casa, um brasão enorme do time da família: o Vasco. Um bar de um lado, uma morada do outro. Entramos na sala e a família toda veio nos receber. Clemilton é um moço jovem, tímido, quieto. Fica ao fundo buscando as esculturas de madeira a cada palavra alternada pelo pai e pela mãe. Sim, nunca vi pais mais orgulhosos. A cada pergunta que eu fazia eles disputavam qual peito era mais inflado de amor pelo talento do filho. Sabe aquela expressão “dá gosto”? Deu. Muitos dos …

selma2

Selma Maria: “o meu território sou eu”

Conheci Selma pesquisando sobre gambiarras. As tais gambiarras que não se definem no dicionário mas no cotidiano brasileiro de quem improvisa para criar, de quem coleciona cacarecos e reinventa objetos, de quem tem muita história para contar. Essa é Selma. “Tridimensional”, descreveu uma amiga em comum. Difícil um texto e fotos transmitirem seu jeito ambulante de viver em poesia. Vou arriscar. Ela me disse que tudo começou assim, de ver seu pai de chinelo, olhando para os próprios pés, cabeça baixa, com o ouvido colado no rádio, escutando um jogo do Palmeiras. Herdou a paixão pelo futebol. Herdou a mania de colecionar chinelos. Herdou a busca constante pelo que ela chama de “homens rústicos”, esses que vão em busca de lhe ensinar como fazer um brinquedo. Na tentativa de dar respostas às minhas perguntas, Selma entende muito sobre suas próprias andanças, sobre as suas pesquisas sobre brinquedos pelos sertões brasileiros, sobre suas coleções de objetos cotidianos, sobre sua paixão por palavras, poemas e livros, sobre sua vida para contar histórias. Seus carrinhos de exposições ambulantes Seu pai …

Screen Shot 2015-04-29 at 6.40.12 PM

Celso Brandão: do pai herdou ser andarilho; da mãe, ser artista

Na vontade de conhecer o Rio São Francisco, onde começou a história de minha família andarilha, decidi ir a Maceió e busquei dicas de diversas pessoas amigas. A curadora Adélia Borges, com quem trabalhei recentemente, me recomendou conversar com o fotógrafo e documentarista Celso Brandão, alagoano premiado por suas pesquisas etnográficas em imagens e filmes. Passamos um domingo em sua casa, conhecendo sua história e sua coleção de arte; em busca de saber mais sobre o destino inicial traçado: a Ilha do Ferro.  A caminho da casa de Celso, uma estampa de coqueiros. A casa de Celso em si já é pura história. Cada canto guarda uma escultura e uma viagem. Andarilho, vai me citando os nomes para que eu visite os ateliês: Valmir, Dedé, Clemilton…Antes de começar qualquer papo mais longo, passa a mão no telefone e liga para Mariana, filha do artesão Aberaldo, e pede para que eles ajeitem a casa de Celso na Ilha, pois eu faria uma visita no dia seguinte. Fico sem jeito, sorrio radiante e agradeço a gentileza. Um presente desses raros. …