Autor: Colaborador Do Blog

Fotografia documental documentary photography Latin American

Penitentes, por Guy Veloso

As crenças. Os ritos. A fé: tema que sempre achei central em pesquisas sobre a cultura brasileira. A consagrada série “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo” do fotógrafo paraense Guy Veloso me vem a mente. Um transe entre o documental e o espiritual, onde eu me sinto em uma intimidade absurda e proibida com o outro. Convidar Guy Veloso para falar sobre a criação dessa série seja, talvez, surreal: Iniciado em 2002, “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo”, curado por Rosely Nakagawa, tinha previsão de durar 13 anos. Mas para mim está sendo muito difícil “expulsar” este tema de minha mente, dado o envolvimento com as pessoas que é característico (creio) em meu trabalho. “Penitentes”, também chamados “Alimentadores das Almas”, são grupos laicos de caráter secreto que durante certas épocas do ano, saem noite adentro rezando pelos “espíritos sofredores”, geralmente cobrindo rostos com panos ou capuzes. Tive a sorte de, em 2010, ser o primeiro pesquisador a provar que estas confrarias de tradição oral, grande parte de difícil acesso ou até sigilosas, poderiam ocorrer nas 5 regiões …

destaquesamuel

Reisado de Caretas, por Samuel Macedo

Esta semana convidamos o fotógrafo cearense Samuel Macedo para colaborar com nosso Diário de Bordo. Conheci Samuel em Rio Acima (MG), visitando uma exposição do Infâncias, projeto do qual ele participa. No Andarilha, ele compartilha um pouco sobre o seu processo criativo para fotografar o Reisado de Caretas através de palavras, imagens e até áudios contando um pouco mais sobre suas histórias: “Eu sou cearense e, de menino, convivo com manifestações culturais como esta. Há alguns anos registro e acompanho o caminhar dos mestres e de suas brincadeiras. Comecei a fotografar ainda quando criança. Meu avô tinha uma oficina de onde saiam as coisas mais legais que já vi na minha vida; um monte de invenção que ele fazia. Uma dessas invenções, a que mais me chamava a atenção, era a câmera escura. Por conta dela, comecei a ter vontade de fotografar.   Às margens da Lagoa do Sassaré, por volta da década de 1930, já se tinha notícia dos brincantes do Reisado de Caretas. É como contava Dona Neuza, mãe de Antônio Luiz, atual mestre do grupo de caretas do sitio Sassaré. Fotografo o grupo há 3 anos. Sempre que vou ao Cariri, passo na …

Lab 2012_Prévia_Franny Glass_RenataBaracho

Festival LAB, por Taynara Pretto da Cunha

Taynara Pretto é catarinense e coleciona mais endereços de morada do que eu. É quem nos recebeu em sua atual casa, em Maceió, com o melhor bolo de rolo de Alagoas e um punhado de carinho. Conviver com quem vive, trabalha e faz música é um constante presente em minha vida. Por isso, quando recebemos o convite de nosso amigo, Victor Almeida, não resistimos. Fomos lá conferir mais uma edição do festival de música independente, o LAB, criado por ele e produzido pela Taynara: Viver em uma cidade como Maceió é conhecer de perto a expressão “faça você mesmo”. Perceber as suas necessidades e as de quem convive no mesmo meio que você e querer transformar isso em algo positivo é – e só pode ser – uma coisa boa. Foi assim que nasceu o Festival LAB, lá em 2009: da vontade de reunir amigos em um espaço legal para ouvir música. Música que, de certa maneira, é relevante para nós, não obedecendo, necessariamente, questões de mercado ou projeções de público. Peguei o barco andando, dois …

734214_514980938543991_1589655691_n

Quadrado Brasília, por Carolina Nogueira

Esta semana convidamos a jornalista brasiliense Carolina Nogueira para colaborar com nosso Diário de Bordo. Carol é quem troca palavras e rabiscos comigo por cartas, cartões, e-mail e até um livro sobre a história de vida de nossa avó. Por aqui, ela conta sobre a criação do Quadrado, um blog onde escreve sobre andarilhar pela própria casa, em busca de uma nova Brasília para chamar de sua: Você faz as malas, arruma um apê e vai. Mudar de cidade é assim: um liga-desliga. Até ontem era ali, a partir de hoje, pronto: você tem um CEP do outro lado do mundo. Mas viver em outro lugar – isso leva tempo. Cinco anos depois e eu finalmente vivia em Paris. Cinco anos depois e eu sabia francês, eu tinha amigos, eu sabia exatamente onde estava – estava em casa. Cinco anos que passei abrindo janelas: virei mãe, integrei um segundo idioma que agora dava o ritmo das minhas melhores leituras e da minha produção acadêmica, voltei a desenhar, comecei uma psicanálise. Cinco anos que passei indo. Eu não sabia mais …

PIO_FIGUEIROA_05

Exposição Ver do Meio, por Pio Figueiroa

Andarilha é sobre caminhos e percursos. Por isso, abrimos um espaço para integrar todos aqueles que querem compartilhar suas andanças e processos criativos para fazer um filme, uma foto, um documentário, um livro, uma comida, uma música: arte.  Começamos o Diário de Bordo com um relato do fotógrafo Pio Figueiroa, que trouxe o seu estado de Pernambuco para São Paulo e a presença (de volta) à fotografia:  “No próximo dia 27 de maio, entra em cartaz a exposição Ver do Meio, um trabalho de Nelson Brissac, que provocou três fotógrafos a apreender uma cidade que “não se dar a ver”. Faço parte desse grupo ao lado de Arnaldo Pappalardo e Mauro Restiffe e a exibição acontecerá no Instituto Tomie Ohtake. Relacionando uma percepção de São Paulo com um procedimento artístico, eu recomeço. Há pouco mais de uma década, constituí um coletivo, a Cia de Foto, que cumpriu sua trajetória e a concluiu em 2013, término que me devolveu algo irredutível: sou um fotógrafo criado na prática, na rua, na construção de cenas que obrigam presença. O modus operandi daquele tempo …